Ministério nega relação de apagão com alta do consumo de energia

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, descartou que a falha registrada na tarde desta terça-feira (4), e que provocou apagão em parte das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, além do Tocantins, no Norte, esteja relacionada com o aumento do consumo de energia nas últimas semanas, provocado pelo calor.
Pouco depois da entrevista coletiva na terça-feira, na qual Zimmermann não soube informar o que provocou o problema, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) divulgou em comunicado oficial que oapagão iniciou-se após um curto-circuito numa linha de transmissão localizada no Tocantins.
Ao todo, 11 estados foram atingidos. O diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, calcula que 6 milhões de pessoas foram afetadas pelo apagão. Para isso, ele considerou a média de densidade populacional de todos os estados das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul, com quatro moradores por residência atingida. Seriam, portanto, 1,5 milhão de unidades consumidoras, de acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico.
'Sistema funcionou', diz governo
O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia apontou, durante a entrevista coletiva desta terça, que não houve “desligamento descontrolado” e que a interrupção no fornecimento de energia foi provocada por um sistema automático que atua na rede de transmissão de energia elétrica e impede que uma falha cause problemas maiores.

“Aparentemente, o sistema funcionou como deveria funcionar. Poderia ter acontecido [interrupção no fornecimento de energia] como em outros eventos, como quando apagou o Nordeste todo”, disse Zimmermann.
Ele se refere ao episódio ocorrido em agosto do ano passado, quando uma queimada em uma fazenda do Piauí atingiu a rede de distribuição de energia e levou à falta de luz todos os estados da Região Nordeste. Na ocasião, a distribuição caiu de 10 mil megawatts para mil megawatts e deixou no escuro por algumas horas boa parte dos municípios nordestinos.
Zimmermann disse ainda que o sistema de energia brasileiro é “complexo”, conta com mais de 100 mil quilômetros de linhas de transmissão, e que falhas como a registrada nesta terça “ocorrem, apesar de trabalharmos com nível de confiabilidade muito alto”.
“[A falha no fornecimento de energia registrada nesta terça] não tem nada a ver com estresse do sistema”, disse Zimmermann durante entrevista coletiva na sede do Ministério de Minas e Energia, em Brasília.
Negou risco de desabastecimento
No início da entrevista, Zimmermann afirmou que não existe risco de faltar energia no país devido à falta de chuva e queda no nível dos principais reservatórios de hidrelétricas. "Esse aspecto conjuntural agravado [falta de chuva] é um processo que um sistema como o nosso é planejado para lidar”, disse o secretário.

Em entrevista à GloboNews, Zimmermann disse ainda que o sistema está equilibrado e que "foi planejado para aguentar condições muito piores" do que a atual, de pouca chuva.
O discurso repete o do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, que afirmou na segunda-feira (3) que é “zero” o risco de faltar energia no país por conta da queda no nível dos reservatórios de hidrelétricas.
Espírito Santo
Sete municípios do Espírito Santo registraram apagão elétrico, na tarde desta terça. Segundo a Escelsa, as cidades de Nova Venécia, Ecoporanga, Mantenópolis, Barra de São Francisco, Água Doce do Norte, Vila Pavão e Aracruz (somente o bairro Barra do Sahy) foram atingidas.

Goiás
A Companhia Energética de Goiás (Celg) informou que o apagão atingiu cerca de 300 mil consumidores no estado. Em nota, companhia informou que 50 cidades goianas ficaram sem energia.

Mato Grosso
As Centrais Elétricas de Mato Grosso (Cemat) informaram que 111 mil unidades consumidoras foram vítimas do apagão nacional causado por uma perturbação no sistema. A falha foi registrada às 14h03 (horário de Brasília).

Na capital, Cuiabá, em três minutos já começou a ser restabelecido o serviço de energia, mas o ONS solicitou desligamento da área em virtude das falhas registradas.
Mato Grosso do Sul
Sete cidades de Mato Grosso do Sul foram afetadas pela falta de energia elétrica. A assessoria de imprensa da companhia Enersul, que atende 74 dos 79 municípios do estado, informou que ficaram sem energia os municípios de Miranda, Bodoquena, Bonito, Aquidauana, Anastácio e Dois Irmãos do Buriti.

Em Campo Grande, 4% da cidade foi afetada. Essas localidades, conforme a empresa, representam 14% da área de concessão.
Minas Gerais
Cerca de 230 mil pessoas de 63 cidades mineiras ficaram sem energia elétrica, de acordo com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). A empresa informou que foram atingidos municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Sul, Oeste e Leste do estado e o Triângulo Mineiro.

No Sul de Minas, pelo menos cinco cidades ficaram sem energia entre 14h e 14h40. Segundo a Cemig, houve falha em Guaxupé, Muzambinho, Guaranésia, Monte Belo e Botelhos.
A empresa informou que o problema ocorreu às 14h02, e começou a ser resolvido às 14h48. A Cemig afirmou que às 15h58 todos os locais já estavam com as energias restabelecidas.
Paraná
O problema deixou sem luz 548 mil consumidores em 61 cidades do Paraná, de acordo com a Companhia Paranaense de Energia (Copel). Este número representa 13% dos 4,1 milhões de consumidores atendidos pela Copel no estado.

Rio de Janeiro
Aproximadamente 880 mil pessoas ficaram sem luz no Rio de Janeiro, segundo informações das concessionárias que atendem ao estado, Light e Ampla.

A Light informou que interrompeu o fornecimento de energia em bairros do Subúrbio e Zona Oeste do Rio e Baixada Fluminense, a pedido do ONS.
A falta de energia atingiu os bairros de Bangu, Campo Grande, Guaratiba e Jacarepaguá, na Zona Oeste; Méier, Pavuna, Inhaúma, Irajá, Penha, Cascadura e Madureira, no Subúrbio; e os municípios de Mesquita, Belford Roxo, Queimados e Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.
Rio Grande do Sul
Houve interrupção no fornecimento em mais de 392 mil pontos de pelo menos 73 municípios do Rio Grande do Sul. Os dados são das três mais importantes companhias de energia elétrica e da maior cooperativa de distribuição do estado. Em todos os locais, o desligamento ocorreu por volta das 14h e terminou antes das 16h.

Santa Catarina
A Celesc informou que registrou interrupção no fornecimento de energia em diversas cidades. O desligamento ocorreu em todo o estado e, segundo a empresa, todas as regiões tiveram algum problema pontual.

Semáforo apagado na Zona Oeste de São Paulo. (Foto: André Paixão/G1)
Semáforo apagado na Zona Oeste de São Paulo
(Foto: André Paixão/G1)
São Paulo
No estado de São Paulo, a AES Eletropaulo informou que o problema afetou o fornecimento de energia em cidades da Grande São Paulo e bairros da capital paulista, atingindo mais de 1,2 milhão de consumidores na capital paulista.

Segundo a empresa, foram afetadas ainda as cidades de Vargem Grande Paulista, Embu, Diadema e Cotia. Entre os bairros da capital impactados estão Capão Redondo, Pedreira, Cidade Ademar, Mooca, São Mateus, Vila Prudente, Itaquera, Vila Mariana, Guaianases e Vila Matilde.
O problema em São Paulo chegou também ao metrô da capital. A ViaQuatro, que opera a Linha 4-Amarela, relata que teve uma "falha no sistema elétrico de tração entre o trecho das estações Paulista e Luz" nesta tarde. A concessionária informou, às 15h40, que a operação foi restabelecida às 15h18.
Tocantins
Segundo a Companhia de Energia Elétrica do Estado do Tocantins (Celtins), o apagão atingiu 95 das 139 cidades do Tocantins. A interrupção do fornecimento de energia elétrica no estado durou quatro minutos, entre 13h03 e 13h07 (horário local), e afetou 362 mil unidades consumidoras.

Apagões recentes
Além do apagão em agosto do ano passado, na Região Nordeste, em 2012, também nos estados nordestinos ocorreram interrupções de energia em setembro e outubro.

Em 22 de setembro, segundo o ONS, um problema nas interligações Sudeste/Norte e Sudeste/Nordeste atingiu o fornecimento de energia elétrica em parte da Região Nordeste do país.
Em outubro daquele ano, outra ocorrência afetou os nove estados do Nordeste no final da noite do dia 25 e início da madrugada do dia 26.

G1

0 comentários:

Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Serão suprimidos todo e qualquer comentário com teor preconceituoso.