Suspeito de lançar rojão chega no Rio de Janeiro

Suspeito de lançar rojão usou nome falso em pousada, diz recepcionistaO suspeito de lançar o rojão que matou o cinegrafista da Bandeirantes Santiago Andrade, Caio Silva de Souza, de 22 anos, chegou às 8h42 desta quarta-feira (12) ao Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio. Caio chegou no voo 06211 (Salvador-Rio, da Avianca). Ele foi preso em Feira de Santana (BA).
O suspeito foi  encaminhado para a Cidade da Polícia, conjunto de unidades policiais no Jacarezinho, Subúrbio do Rio, onde os investigadores que efetuaram a prisão vão conceder uma entrevista coletiva à imprensa para informar mais detalhes sobre a investigação e a prisão. Segundo informações da GloboNews, três carros da polícia aguardavam, às 9h, o desembarque de Caio para conduzi-lo ao conjunto de delegacias. Ele desembarcou momentos depois, acompanhado de vários agentes civis e federais. O suspeito foi levado algemado num automóvel Logan prata para a unidade policial.
Às 9h33, o comboio que trouxe o suspeito chegou à Cidade da Polícia. Caio vestia uma camisa preta com uma estampa colorida e desembarcou do comboio algemado. Ele foi levado para a carceragem. Ainda nesta manhã, o suspeito deve passar por exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal.
Às 10h47, Caio prestava depoimento para os policiais e não confessou o crime. Segundo o delegado Maurício Luciano, ele não confessou o crime nesse relato. Em seguida, ele deve ser apresentado para a imprensa e encaminhado para o IML, antes de ser levado para alguma carceragem.
Entrega por intermédio da namorada
Caio contou após a prisão que pretendia fugir para a casa de um avô para o Ceará, quando foi convencido por telefone pela namorada a se entregar à polícia na Bahia, mostrou nesta quarta-feira (12) o Bom Dia Rio.

O suspeito alegou logo após a prisão que não sabia que o artefato que matou Santiago era um rojão, e acreditava que se tratava do explosivo conhecido como "cabeção de nego". Ele pediu ainda desculpas pela "morte de um trabalhador, como ele próprio, sua mãe e seu pai".
Três agentes da 17ª DP (São Cristóvão) acompanharam o delegado que investiga o caso, Maurício Luciano de Almeida e Silva, e o advogado de Caio, Jonas Tadeu, na operação que terminou com a entrega dele. Homens da polícia baiana deram apoio à operação. A namorada do suspeito também esteve na Bahia durante a rendição. Ele se entregou em uma pousada próxima à rodoviária da cidade baiana, que fica a mais de 1,5 mil km do Rio e a 100 km de Salvador

G1

.

0 comentários:

Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Serão suprimidos todo e qualquer comentário com teor preconceituoso.