UFAL investiga se universitário burlou sistema para alterar nota baixa

Ufal (Foto: Divulgação/ Jonathan Lins)A alteração na nota de um estudante do curso de Engenharia Química, no sistema acadêmico da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), vem sendo investigada pelo Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI). A suspeita é de que o universitário, que não teve a identidade revelada, tenha burlado o sistema e alterado a nota porque não atingiu a média necessária para aprovação. A fraude teria acontecido há três semanas e há cerca de sete dias um processo administrativo foi aberto para apurar o caso.
Por meio da assessoria de comunicação da Ufal, o coordenador da Pró-reitoria de Graduação, professor Alexandre Lima, afirmou à reportagem do site G1 que a nota alterada para mais foi da disciplina Cinética e Cálculos Reatores II. Entretanto, a assessoria de comunicação da universidade não sabe informar ainda se a alteração da nota foi feita pelo aluno ou se foi um erro no sistema.
A situação vem causando inquietação entre os estudantes do curso. À site G1 um universitário afirmou que os estudantes sabem como a modificação da nota ocorreu, mas têm medo de represálias do suspeito e da coordenação do curso, em caso de denúncia.
“Ele criou um e-mail com o nome da professora da matéria e enviou uma mensagem ao NTI solicitando uma senha nova para acessar o sistema. Como não houve resposta, ele imprimiu o e-mail, levou até o núcleo, disse que era bolsista dela e conseguiu a senha. Mas ele acabou alterando a nota do período antigo. Se tivesse passado no semestre anterior, não teria porquê estar cursando agora, então foi descoberto”, contou o estudante que preferiu não se identificar.
A assessoria da Ufal afirmou que a própria professora notou a alteração na nota e informou ao NTI. “Ela abriu um processo administrativo e o NTI realizará uma varredura no sistema para averiguar o que houve. Por ora, não é possível afirmar que foi o aluno quem fez a modificação [da nota]. O núcleo jamais forneceria uma senha do login de um professor para um aluno, mesmo com alguma declaração, pois é sigiloso”, informou a assessoria da Ufal.
A instituição afirmou que, caso seja comprovada a fraude, o Centro de Tecnologia, ao qual o curso de Engenharia Química é vinculado, é quem decidirá o tipo de punição ao estudante de acordo com o regimento interno. Segundo a Ufal, não há previsão para conclusão da investigação.

G1/AL

0 comentários:

Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Serão suprimidos todo e qualquer comentário com teor preconceituoso.