Rússia realiza exercícios militares em regiões de fronteira com a Ucrânia

Mesmo depois de na quarta-feira o Presidente interino da Ucrânia, Oleksandr Turchynov, ter revelado que Kiev não pretende avançar com qualquer tipo de resposta militar contra a provável aprovação popular, em referendo, de ver a região da Crimeia ser integrada no território russo, o Kremlin resolveu iniciar um novo conjunto de exercícios militares junto à fronteira leste da Ucrânia.

Esta decisão, revela o "The Guardian", surge na sequência da aprovação por unanimidade, pelo Parlamento ucraniano, da criação de uma força militar securitária de cerca de 60 mil elementos com o objectivo de impedir qualquer avanço das forças militares russas para além da região da Crimeia.

A região da Crimeia, que deverá votar a favor da integração na Rússia este domingo, 16 de Março, é já dada como perdida pelas autoridades de Kiev. Recorde-se que desde há cerca de três semanas que a península autónoma da Crimeia permanece sob controlo de vários homens armados que se denominam de pró-russos.

Mas a Crimeia não é a única região ucraniana com uma maioria de população russófona. Ainda na semana passada o Parlamento da maior cidade da zona oriental da Ucrânia, Donekst, foi invadido por manifestantes pró-russos.

Recorde-se que o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, advertiu desde o início da crise que Moscovo iria "defender os interesses e direitos de todos os descendentes russos". As regiões a leste da Ucrânia, que fazem fronteira com a Rússia, também são compostas por uma grande percentagem de cidadãos descendentes russos.

Desde o início da crise na Ucrânia, esta é já a segunda vez que forças militares russas iniciam manobras militares de alerta ao longo da fronteira terrestre que separa a Ucrânia da Rússia. Tendo em conta os dados disponíveis, parece que o Kremlin pretende assumir nova posição de força dissuasora de qualquer intuito bélico ucraniano.

Neste momento a Crimeia parece ter o destino definido, faltando saber como a Rússia irá processar a vontade popular desta região, sendo que já tem agendada uma discussão, este mês, sobre como agilizar a legislação por forma a garantir uma mais fácil integração da Crimeia.

Neste momento cabe a Kiev tentar proteger a integridade territorial do país e assegurar a manutenção da região oriental cuja capital é Donekst. Mas Putin assegurou que pretende defender "o interesse" das populações russófonas, e as manobras militares iniciadas esta quinta-feira parecem uma prova disso mesmo.

Fonte: Jornal do Negócio

0 comentários:

Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Serão suprimidos todo e qualquer comentário com teor preconceituoso.