Avião da Malaysia Airlines com 295 pessoas a bordo cai na Ucrânia

Destroços do avião da Malysia que caiu na Ucrânia (Foto: Maxim Zmeyev/Reuters)Um Boeing 777 da Malaysia Airlines com 295 pessoas a bordo caiu na Ucrânia nesta quinta-feira (17).
A agência russa Interfax afirmou que o avião teria sido derrubado quando estava a 10 mil metros de altitude.
Destroços do avião, em cuja cauda aparece o logo da companhia malaia, assim como malas e outros equipamentos também podem ser vistos espalhados ao longo de uma vasta zona da cidade de Grabove, na região de Donetsk. Soldados das forças rebeldes e bombeiros já chegaram ao local.
Zoryan Shkyryak, assessor do Ministério do Interior russo, disse à Interfax que o número total de mortos passa de 300, entre eles 23 cidadãos norte-americanos.
A Malaysia Airlines informou que perdeu  contato com o voo MH17 às 14h15 GMT (11h15 de Brasília) a cerca de 50 km da fronteira entre Ucrânia e Rússia. O avião havia decolado de Amsterdã, na Holanda, às 12h15 locais e deveria chegar a Kuala Lampur, na Malásia, às 6h10 desta sexta-feira (18), também no horário local.
O presidente ucraniano Petro Poroshenko declarou "que não exclui" a possibilidade de o avião malaio ter "sido abatido".
"Este é o terceiro caso trágico nos últimos dias, após os aviões An-26 e Su-25 das forças armadas ucranianas serem derrubados a partir do território da Rússia", declarou Poroshenko em comunicado.
Homem apaga incêndio no local da queda do avião Malaysia Airlines Boeing 777 na região de Donetsk (Foto: Maxim Zmeyev/Reuters)
Homem apaga incêndio no local da queda do avião
Malaysia Airlines Boeing 777 na região de Donetsk
(Foto: Maxim Zmeyev/Reuters)
"Não excluímos a possibilidade de que este avião (malaio) possa ter sido abatido e ressaltamos que as forças armadas ucranianas não efetuaram didisparos que possam ter atingido alvos no ar", acrescentou, antes de apresentar suas condolências às famílias das vítimas.
Logo depois, seu secretário de imprensa disse que o mandatário acredita que o que ocorreu foi um “ato terrorista”. “Poroshenko acredita que esse avião foi derrubado. Não é m incidente, uma catástrofe, mas um atentado terrorista”, disse Svatoslav Tsegolko, segundo a Reuters.
Anton Guerashenko, assessor do ministro do Interior da Ucrânia, disse em sua página no Facebook que a aeronave foi abatida por um míssil terra-ar. De acordo com Goroshenko, estavam a bordo 295 pessoas, sendo 280 passageiros e 15 tripulantes.
Representantes da autoproclamada República Popular de Donetsk negaram que disponham de armamento para derrubar um avião que voe a 10 mil metros de altura.
O líder separatista Aleksander Borodai culpou as forças ucranianas pela derrubada do avião. “Aparentemente, é um avião de passageiros, que foi derrubado pela Força Aérea da Ucrânia”, disse à emissora de TV russa Rossiya 24.
Um comunicado publicado em um site oficial dos separatistas pró-russos diz que a aeronave foi abatida pelas forças ucranianas. "Testemunhas viram o Boeing 777 ser atacado por um avião de caça ucraniano. Depois, o avião comercial partiu em dois e caiu no território da 'República de Lugansk' (autoproclamada pelos separatistas no leste da Ucrânia). Após o ataque, o avião ucraniano foi derrubado e também caiu no território da 'República de Lugansk", informa o site.
O governo de Kiev negou o envolvimento de suas Forças Armadas na queda.
O avião caiu em uma região que está sob o controle de milicianos separatistas pró-Rússia e que estão em confronto com as forças governamentais da Ucrânia.
Testemunhas
"Eu estava trabalhando no campo com o meu trator quando ouvi o barulho de um avião e então uma explosão e tiros. Então eu vi o avião bater no chão e quebrar em dois. Tinha muita fumaça preta", disse uma testemunha que se identificou apenas como Vladimir à Reuters.
Um rebelde separatista da localidade próxima de Krasni Luch que se identificou apenas como Sergei disse: "Da minha varanda eu vi o avião começando a descer de uma altitude muito grande e então escutei duas explosões". Ele negou que os rebeldes tenham derrubado o avião.
"Isso somente poderia acontecer se fosse um caça ou um míssil terra-ar (que tenha abatido o avião de passageiros)", disse ele.

Alerta entre empresas aéreas
Após o acidente, a companhia aérea alemã Lufthansa decidiu passar a evitar o espaço aéreo no leste da Ucrânia, onde ocorreu o acidente e onde são realizados combates separatistas. A medida tem efeito imediato, segundo a Reuters, mas a empresa por enquanto continuará servindo os aeroportos de Kiev e Odessa.
As empresas Virgin e Transaero anunciaram a mesma medida, assim como a companhia aérea russa Aeroflot, a Turkish, da Turquia, e a Air France, da França, que disseram que evitarão o espaço aéreo ucraniano.
"A Air France está monitorando a situação em tempo real e decidiu não voar mais sobre o leste ucraniano após ser informada do incidente", disse um porta-voz da empresa.
A Administração Federal de Aviação dos EUA havia alertado as companhias americanas a evitarem a área desde 4 de abril.
Autoridades
Segundo a agência russa “RT”, o presidente russo, Vladimir Putin, informou o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sobre a queda imediatamente após as primeiras notícias, em uma conversa telefônica. O Kremlin e a Casa Branca ainda não se pronunciaram sobre a possibilidade de o avião ter sido derrubado.
Putin expressou suas “sinceras condolências” ao primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, que se disse chocado com o ocorrido. "Eu estou chocado com as informações sobre queda de um avião da MH. Nós estamos lançando uma investigação imediata", disse Razak em sua conta no Twitter. MH é o código usado para a companhia Malaysia Airlines.
O premiê da Holanda, que estava em Bruxelas, anunciou que está retornando para seu país após a queda do avião. "Estou profundamente chocado com as dramáticas informações da queda do voo MH17 da Malaysia Airlines", afirmou.
Outro voo
A Malaysia Airlines é a mesma companhia que teve um avião desaparecido em circustâncias misteriosas em março deste ano, com 239 pessoas a bordo. O voo MH370, que saiu de Kuala Lumpur para Pequim, na China, perdeu o contato durante o trajeto e teria caído no sul do oceano Índico, depois de mudar de rota. Apesar dos grandes meios mobilizados, até hoje não foi encontrado nenhum destroço da aeronave. As buscas continuam em regiões próximas à costa da Austrália.

0 comentários:

Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Serão suprimidos todo e qualquer comentário com teor preconceituoso.